A Armadura de Deus

Lc 11.21,22 – Ef 6.12,13

Quando lemos textos como estes nos alegramos e às vezes nos sentimos seguros ante a grande batalha espiritual que enfrentamos. Sabemos que estamos envolvidos nesta batalha, pois, todo aquele que nasce nesta terra, involuntariamente já está alistado na mesma, esta é uma guerra entre o Reino de Deus e o reino das trevas. O comandante em chefe do reino das trevas, satanás, já foi vencido e destituído de autoridade (Lc 11.21-22), mas continua como guerrilheiro, a atacar o Reino de Deus, tentando causar danos a este.

Infelizmente pelo pecado de nosso primeiro representante, Adão, toda a humanidade foi escravizada ao reino das trevas (Rm 6.16), assim ao nascermos sem que tenhamos o direito de escolher, somos alistados no exército do reino das trevas, para mudarmos de lado, ou seja, para nos alistarmos no exército do Reino de Deus, temos que Nascer de Novo. Embora seja uma escolha pessoal e íntima, não se concretiza apenas por desejo humano. É preciso a atuação do Espírito Santo. Sim, o Espírito Santo nos convence do Pecado, da Justiça e do Juízo e nós então voluntariamente decidimos a nos submeter ao Espirito Santo que nos regenera nos faz nascer de novo. Todavia, nada disso acontece sem ouvirmos o evangelho, as boas novas do Reino de Deus, o evangelho de Cristo (At 11.13-14). Sem ouvirmos e entendermos pela ação do Espírito Santo, que:

1. Deus nos criou para sua glória e relacionamento íntimo;

2. O pecado separou a humanidade de Deus, lançando-a a escravidão de satã;

3. Deus não desistiu de nós, providenciou um ÚNICO meio para retornarmos ao projeto inicial e este único meio é JESUS – O Deus Filho, que a si mesmo se esvaziou, nascendo da virgem Maria pela ação do Espírito Santo (como havia sido anunciado pelos profetas); na condição de homem viveu em obediência total a Deus; venceu a satanás; viveu sem cometer nenhum pecado; no tempo determinado por Deus assumiu como representante da humanidade todo o pecado desta, entregou-se a morte na cruz, pagando o preço exigido por Deus para a redenção, venceu definitivamente a satanás na Cruz, foi sepultado, desceu ao inferno, mas, Justificado de lá foi resgatado pela mão poderosa do Pai ressuscitando ao terceiro dia, apresentou no Santo dos Santos celestial seu sangue e sacrifício pelo pecado da humanidade e, hoje, está assentado à destra de Deus intercedendo pela salvação dos homens!

4. Precisamos crer na RESSURREIÇÃO de Cristo em nosso coração e o RECEBERMOS, confessando-o como nosso SENHOR;

5. Neste momento o Espírito Santo atuando sobrenaturalmente, vem morar em nosso espírito, nos tornando em uma nova criatura, em quem todas as coisas passadas: o pecado, a vida separada de Deus é lançada no esquecimento e é agora gerado de uma semente divina, para ser a expressa imagem de Cristo. Ao receber a JESUS CRISTO como SENHOR, o homem é elevado da condição de criatura caída e rebelde à posição de FILHO DE DEUS! (Jo 1.11-13; Rm 10.8-10; Ef 2.5-11; Rm 8.29)

Bem, agora que nascemos de novo estamos alistados no exército do Reino de Deus, pertencemos agora a um exército vitorioso, pois nosso COMANDANTE, o Senhor JESUS, já venceu! O que temos que fazer agora é consolidar a vitória de Cristo na CRUZ, aplicando-a a nossa vida diária!

Satanás, mesmo derrotado, sabendo de seu destino final, vem colocando empecilhos, barreiras e às vezes até mesmo atacando o exército divino, tentando ferir e derrubar algum guerreiro despercebido ou relaxado. Usa de vários meios e procura toda e qualquer estratégia que lhe seja útil.

Como soldados de Cristo, precisamos conhecer nossas armas, nossa armadura, entender nossa guerra, conhecer as estratégias do nosso comandante, precisamos ter um relacionamento íntimo e diário com ELE, pois assim seremos informados dos próximos passos. O Rev. Ronaldo Lidório, um experiente missionário da Igreja Presbiteriana, que trabalhou por anos em Gana-África, entre os Konkombas, plantando a Igreja e traduzindo a Bíblia, sendo portanto, conhecedor de linguística e dos originais da Bíblia, nos trás a seguinte explicação dos textos de Lc 11.21-22 e Ef 6.12,13, que falam da Armadura de Deus:

Primeira Cena: O valente (ischuros: alusivo a satanás), bem armado (kathaoplismenos: pronto para guerrear), guarda a própria casa, mantendo suas posses em segurança. Quando, porém, surge o “mais valente” (ischuroteros: o próprio Jesus), este luta contra o primeiro e o derrota. Então tira dela a “armadura” (panoplian: proteção), na qual confiava, passando a dividir os despojos.

Segunda Cena: Ef. 6.12,13 – nossa luta não é contra “o sangue e a carne” (aima kai sarka: o conjunto das tendências humanas), mas sim contra toda uma nefasta manifestação espiritual do mal, tais como “principados” (archas: tiranos que se autodenominam príncipes), “potestades” (exousias: força de combate) e “dominadores deste mundo tenebroso” (kosmokratoras: estrategistas do mal). E logo depois nos exorta a tomar a “armadura” (panoplian: proteção) de Deus para termos vitória até o dia final.

Lucas 11 e Efésios 6 são os dois únicos textos em que “armadura” (panoplian) Aparece com esse sentido no Novo Testamento. Panoplian, entretanto, não se refere a uma simples armadura. No contexto Romano, soldados comuns usavam armaduras (elekoi) para proteção. Elas eram de metal e cobriam parte do corpo do guerreiro. No entanto panoplian se refere a armaduras usadas por oficiais. Estas tinham o brasão do imperador e, além de dar proteção, indicavam a autoridade daqueles que representavam ali os interesses do império. (Lidório, Ronaldo, em Com a mão no arado, pg 106).

Muito oportuna e essencial esta explanação, pois nos informa duas coisas importantes:

1. Nossa armadura não é a de um soldado comum, usamos uma armadura de oficial, uma armadura que identifica nossa posição no reino espiritual; e,

2. Somos os representantes do comandante do Reino de Deus, estamos investidos de sua autoridade!

É muito importante sabermos disto, pois fica claro que a guerra não é pessoal, não estamos lutando sozinhos contra o reino das trevas. A Guerra é do Reino de Deus (IGREJA DE CRISTO), somos membros desta igreja, estamos alistados neste exército e não enfrentamos nossos inimigos baseados em nossas forças ou capacidade, mas os enfrentamos como representantes de Deus e guerreamos com a Autoridade de Deus!

Satanás tem usado pelo menos duas estratégias que tem surtido efeito contra o Reino de Deus, são elas:

1. Individualizar a batalha, ou seja, torná-la pessoal – não é a guerra da IGREJA contra o reino das trevas, é a guerra do homem contra satanás. – Sempre que ele consegue enganar o homem com esta estratégia alcança vitória sobre o mesmo; às vezes passageira ou como têm acontecido inúmeras vezes definitiva, roubando, matando e destruindo o homem que mesmo tendo nascido de novo, mesmo sendo Filho de Deus, mesmo tendo autoridade de Deus, lutou com forças próprias e quando se sentiu ferido, acreditou ter sido abandonado por Deus, renegando-o e apostatando da fé!

2. Roubar a Identidade, ou seja, impedir que o homem compreenda quem de fato ele é em Cristo Jesus, fazendo-o acreditar que é apenas mais um entre a multidão. De novo aqui quando consegue isso, infelizmente a derrota do homem está próxima!

Amados de Deus, necessário se faz que nos aprofundemos no conhecimento da Pessoa de Jesus Cristo, conhecimento revelado da Pessoa de Cristo. O Apóstolo Paulo ao escrever à Igreja em Éfeso diz que faz uma oração por ela e que pede a Deus que a Igreja tenha: espírito de sabedoria e revelação no pleno conhecimento de Cristo e os Olhos do Coração (visão espiritual) iluminados para saber: (a) qual a esperança da vocação; (b) riqueza da glória da sua herança nos santos; (c) suprema grandeza do poder da Ressurreição; (d) Cristo assumiu todo o poder; e, (e) Cristo foi dado a IGREJA (assim todo o poder e autoridade de Cristo estão à disposição da Igreja). O que o Apóstolo Paulo está dizendo é que estas coisas já são nossas, mas nós precisamos ter um conhecimento, não apenas teórico, mas revelado, um conhecimento praticado disto, precisamos viver uma vida de realizações fundamentadas nestas verdades: O Conhecimento da Pessoa de Cristo nos credencia para exercemos sua autoridade!

Temos autoridade! O que fazer? Qual é a finalidade da autoridade que recebemos? – O Rev. Ronaldo Lidório cita um líder Konkomba da Igreja em Koni-Gana-África, que após ouvir e entender a ministração sobre a armadura de Deus, disse:

“Temos autoridade do Senhor porque Jesus venceu. Isso eu entendo. Mas essa autoridade é para quê? – Em nossa cultura, só revestimos alguém com a autoridade do chefe quando o enviamos a um trabalho especial, como adentrar uma aldeia inimiga, representar o seu povo no nyuin (uma festa para guerreiros de todas as aldeias da região) ou para envia-lo, durante um conflito tribal, até a terra rival com uma mensagem de paz. Quem não corre riscos não precisa de autoridade”. (Ronaldo Lidório, em Com a mão no arado, pg 107)

Frase maravilhosa: “Quem não corre riscos, não precisa de autoridade” (Líder Konkomba em Koni)

Em Atos 1.8 Jesus deixa claro a finalidade de nos dar sua autoridade: Ser Testemunha em todos os lugares da terra!

Você tem exercido sua autoridade? Tens trabalhado para implantar o reino de Deus em toda a terra? Tens cooperado com isso? – então é legitima a tua autoridade. Se não fazes isso é hora de acordar! Jesus nos deu autoridade para anunciarmos o evangelho, nossa missão é fazer o NOME DE JESUS conhecido em todos os rincões da terra!

Pr Coura

Anúncios